Tunísia: o executivo esboça os contornos do renascimento do seu investimento

Tunísia: o executivo esboça os contornos do renascimento do seu investimento

16/09/2016 fonte “Jeune Afrique”

A 29 e 30 de Novembro terá lugar em Tunis a conferência “Tunísia 2020», um encontro internacional sobre o investimento, um evento importante para o futuro da economia do país. A primeira reunião com a imprensa realizada ontem especificou os objectivos do país.

Os organizadores dizem sem rodeios que o objectivo da conferência “Tunísia 2020”  é captar investimento estrangeiro directo (IED), que se tornou raro na Tunísia, e apoiar o plano de desenvolvimento de 2016-2020.

Esta ideia foi ressaltada novamente ontem por Mourad Fradi, sócio da Mazars e especialista em assessoria empresarial internacional e comissário adjunto do evento, numa conferência de imprensa. Este é o principal desafio desta operação, que tem um custo organizacional estimado em 4,5 milhões de Dinares (1,8 milhões de Euros).

A nova imagem com investidores

Para fazer isso, o país se compromete a restaurar ao investidor uma imagem que se deteriorou consideravelmente desde a sublevação de 2011.

Se a instabilidade política e de segurança e a falta de paz social contribuiu largamente para tirar o país do radar dos investidores, a Tunísia está reivindicando agora a vitalidade da sua democracia cinco anos após a sua revolução.

Um activo que os organizadores têm destacado, assim como o retorno a um clima econômico mais calmo, e que tem sido defendido na sua essência por Moncef Baati, Assessor do Ministério das Relações Exteriores e por Khalil Laabidi, CEO da FIPA (Foreign Investment Promotion Agency), a Agência para a promoção do investimento estrangeiro.

Eles apelam para uma sinergia de negócios entre Tunísia e o estrangeiro, nomeadamente para lançar parcerias público-privadas para fazer do seu território um centro económico e um destino de investimento.

Objectivo: 24% do PIB em 2020

Nesta perspectiva, a Tunísia vai apresentar aos 800 participantes esperados o seu plano de desenvolvimento 2016-2020, cujas principais linhas já tinham sido reveladas em Junho pelo executivo.

Boa governação, reforma administrativa, luta contra a corrupção e economia verde estão no centro deste projecto que tem a ambição de faze subir o ritmo e a taxa de crescimento médio anual do PIB de 1,5% ao ano entre 2011 e 2015 para 4% ao ano.

Para apoiar este objectivo, o governo tunisino quer colocar sobre a mesa uma série de projectos de desenvolvimento para procurar investidores e conseguir elevar o peso do investimento para 24% do PIB em 2020, contra 19,4 % alcançado em 2014, segundo o Banco Central.

Enquanto isso, a Tunísia acelera o ritmo. O país está realmente a preparar os decretos de aplicação das leis, nomeadamente em matéria de parcerias público-privadas, aprovada pela Assembléia de Representantes do Povo (ARP) no ano passado. O PRA deverá adoptar em breve um novo código de investimento.

A conferência “Tunísia 2020” é tutelada pelo Ministério do Desenvolvimento, Investimento e Cooperação Internacional, em colaboração com o Ministério dos Negócios Estrangeiros e sob o patrocínio da Presidência da República. A organização desta campanha foi confiada a um consórcio francês que reúne o banco de investimentos ARJIL et Associés, a consultoria de estudos de engenharia tunisina COMETE e a empresa Africa Communication Events, filial de organização de eventos do grupo de imprensa Jeune Afrique.