FMI adverte sobre perigo para o Reino Unido se abandona a UE

FMI adverte sobre perigo para o Reino Unido se abandona a UE

14/05/2016 fonte”América Economía”

A directora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, advertiu que se o Reino Unido abandona a União Europeia (UE) como resultado do referendo do próximo dia 23 de Junho, o país poderia sofrer uma queda abrupta do mercado de acções e dos preços das habitações. A avaliação, que se realiza cada ano para todos os países membros do FMI, adverte que o voto a favor da saída do país da UE no referendo poderia aumentar a volatilidade dos mercados financeiros e prejudicar a produção nacional.

Além de produzir efeitos a curto prazo, o relatório prevê também problemas a largo prazo, incluindo a mudança das estruturas de mercado de divisas dominantes de Londres para a Eurozona, causando a descida de nível de Londres como centro financeiro global.

“Analisamos todos os cenários. Levámos a cabo a nossa tarefa e não encontramos nada positivo a dizer sobre o voto a favor da saída do Reino Unido da UE (o Brexit)”, disse Lagarde numa conferência de imprensa dada no Tesouro britânico em Londres para apresentar a avaliação anual do FMI sobre a economia britânica.

“O voto favorável à saída da UE poderia gerar incerteza em relação à natureza da relação económica de longo prazo do Reino Unido com a UE e o resto do mundo. Um voto a favor da saída precipitaria um prolongado período de incerteza agravada, o que conduziria à volatilidade do mercado afectando a produção. O estatus de Londres como centro financeiro mundial também poderia ver-se afectado, pois as firmas com sede no Reino Unido poderiam perder os seus direitos de ‘passaporte’ para oferecer serviços financeiros ao resto da UE e uma grande parte dos negócios em Euros poderiam mudar-se, com o tempo, ao continente”, refere o relatório do FMI.

O FMI prognostica ainda que a inflação, que actualmente se situa em 0,5%, elevar-se-ia até perto dos 2%.

O relatório refere, pelo contrário, no caso de um voto a favor de permanecer na UE, que o crescimento do PIB do Reino Unido recuperar-se-ia na segunda metade do ano. Em 2017, o crescimento seria de 2,25%.