Boas perspectivas do Banco Interamericano de Desenvolvimento sobre a geração de energia solar, eólica e geotérmica na região

Boas perspectivas do Banco Interamericano de Desenvolvimento sobre a geração de energia solar, eólica e geotérmica na região

14/09/2016 fonte “Cesla”

A apreciação do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) indica que as energias solar e eólica são as que mais potencial de crescimento poderiam ter na região latino-americana. O BID está a também a dar muito ênfase à questão da energia geotérmica.

De acordo com o portfolio de financiamento da entidade nos últimos dez anos, a geração hidráulica em represas é a que ocupa mais percentagem, seguindo-se a eólica, a solar e a geotérmica por esta ordem.

O chefe da Divisão de Energia do BID, Ariel Yepes, afirmou que é “muito importante impulsionar a geotermia” e que o Banco faz “é procurar apoiar as agendas dos países no que respeita à geração geotérmica desde 2014”, ano em que se intensificaram as ajudas a este tipo de tecnologia.

Mas tudo depende do potencial dos países da região: as áreas com maior potencial geotérmico estão situadas na zona dos anéis de fogo e nalgumas ilhas no Este das Caraíbas.

Embora não seja uma energia renovável, o BID também está a apoiar a produção de gás natural, incluso no Panamá, pelo facto de ser menos contaminante. “Vemos com muito bons olhos aquilo que está a ser impulsionado pelo governo do Panamá: promover a geração baseada em ciclos combinados com gás natural; é muito boa porque reduz o custo e a contaminação ambiental” afirmou Yepes, que participava na primeira jornada da Semana das Energias Renováveis. O BID está a apoiar, na parte privada, a planta de Gás Natural que a empresa AES está a construir no Panamá.

Em 2015, o Banco emprestou cerca de 1.000 milhões de Dólares para projectos de geração, distribuição e transmissão eléctrica; desta verba, 40% foram destinados à geração, outros 40% foram assignados à transmissão e os restantes 20% foram dirigidos à distribuição. Desse montante, 800 milhões de Dólares foram financiados pelo sector governamental, destinados em parte à geração eólica e solar a fim de dar acesso às populações das áreas mais afastadas.

Colômbia, Equador, Peru e Chile são os países que mais apoio recebem para este tipo de projectos, sendo o Equador o país que más apoio solicitou ao BID nesta matéria. No Panamá, por seu lado, foram aprovados projectos avaliados em cerca 20 milhões de Dólares.