Agenda do G20 deverá ser “ambiciosa” em inovação, comércio e investimento

Agenda do G20 deverá ser “ambiciosa” em inovação, comércio e investimento

10/08/2016 fonte “Ocean Press”

Centenas de peritos de várias nacionalidades assistiram à Cimeira Think 20 (T20) que se realizou a 29 e 30 de Julho em Pequim, uma reunião preparatória para a cimeira do G20. Investigadores e economistas entregaram um documento de propostas chamado “Recomendações de Políticas para o G20” para a cimeira que se realizará em Setembro em Hangzhou, China. Os peritos esperam que a cimeira do G20 tenha uma agenda “ambiciosa” sobre os desafios chave que enfrenta a economia mundial.

Além de uma visão do panorama económico e de uma análise dos principais riscos actuais, o documento inclui recomendações chave sobre como ampliar o potencial de crescimento económico, melhorar a governação mundial e promover ainda mais o comércio e a cooperação mundiais sobre investimento e desenvolvimento.

“Em primeiro lugar, enfatizamos a necessidade de continuar com o diálogo construtivo para entender como enfrentar melhor o actual clima de incerteza política e económica mundial”, afirmou Goldstein, director gerente do grupo de expertos Nomisma com sede em Bolonha.

“Um segundo ponto chave do nosso documento foi um a chamada de atenção ao G20 para ser ambicioso nalguns âmbitos, por exemplo, nas chamadas finanças para o desenvolvimento, em especial com vista a alcançar os compromissos feitos na conferencia climática de Paris”, disse o economista.

Os economistas e investigadores também esperam que os líderes do G20 adoptem posições valentes sobre o comércio mundial, que mostra uma desaceleração nos últimos anos, solicitando também robustas iniciativas no âmbito dos investimentos.

“Actualmente, a taxa de crescimento do comércio mundial é menor do que o crescimento do produto interno bruto (PIB) mundial”, afirmou Goldstein.

Espera-se que os líderes das principais economias desenvolvidas e em desenvolvimento do mundo possam oferecer respostas ao actual desafiante ambiente económico, disse. “Estes assuntos requerem que os actores mundiais discutam novas medidas para fomentar um crescimento sustentável, através, por exemplo, de um novo plano de investimentos”.

As tendências proteccionistas serão outra prioridade, dado o contexto da desaceleração económica mundial, pois estão a surgir indícios preocupantes de uma maior pressão para fechar as fronteiras ao comércio, explicou o analista.

Os ministros do Comércio do G20 já impulsionaram as medidas acordadas na reunião celebrada a princípios de Julho em Shanghai, onde tinham acordado reduzir os custos do comércio, impulsionar o financiamento e aumentar a coordenação de políticas.

Por último, o economista italiano explicou que “um quarto desafio está vinculado à agenda de desenvolvimento sustentável mundial”.